A Glória de Deus na vida de São José de Anchieta

Pe. Cassio S. Souza


Havia no Brasil das missões apostólicas dos jesuítas, dois tipos de missionários. Uns percorriam continuamente o litoral para manter na Fé e na Piedade os índios recém-batizados e reunidos nas vilas e aldeias, como também os europeus vindos ao Brasil a serviço do Rei ou por iniciativa própria.


Outros penetravam no interior do País, por vezes até cem léguas adentro, à procura dos selvagens para lhes levar, no meio das florestas, a luz do Evangelho e o conhecimento de Jesus Cristo.


Embora ambas as formas de missões fossem penosas, a segunda era sem dúvida muito mais difícil e perigosa. Ora, pode-se dizer que o Padre Anchieta foi o instituidor dos dois gêneros de missões. Foi ele que, por seus exemplos e conselhos e por sua autoridade, lhes deu forma e regras; só Deus conhece as fadigas, os sofrimentos e os perigos que precisou suportar durante tantos anos de apostolado.


Padre Anchieta estabeleceu, para as cristandades confiadas a seus cuidados, a ordenação que devia ser observada ao longo do dia. Ao romper da aurora começando com o Ângelus, Rosário e Missas seguida da explicação do catecismo. O dia encerrava nas missões às cinco horas da tarde, toda a população retornava para a Igreja e ouvia uma pregação sobre alguma outra verdade da Fé Católica. O dia era encerrado com uma procissão das crianças, que imploravam a misericórdia de Deus para as almas do purgatório.


Padre Anchieta, procurava estabelecer a piedade nos corações, de modo a deitar profundas raízes em seus corações... Tão bem o conseguiu que, até muito tempo depois de morto, ainda se reconheciam os sinais de sua passagem pelo fervor que reinava naquelas paragens, onde verdadeiramente se podia encontrar o espírito dos primeiros cristãos.


A santidade consiste na prática heróica das virtudes cristãs; os milagres não são senão uma espécie de verniz que lhe realça o brilho. São, entretanto, segundo o doutor Angélico, Santo Tomás de Aquino, um testemunho que Deus dá a seus servos do amor que lhes tem, e é com razão que a própria Igreja os considera sinal exterior de santidade. Tantos milagres fez o Padre Santo José de Anchieta, que foi chamado o Taumaturgo do seu tempo.


Consideremos, entre tantos, o poder que exerceu desde jovem sobre os animais, o que lhe fez dar o cognome de o Novo Adão. Era impressionante vê-lo por vezes chamar pela janela andorinhas, pombas e outras aves que, obedientes à sua voz, acorriam a ele, deixando-se apanhar e acariciar, até que lhes desse a benção e lhes dissesse: “Ide-vos agora e continuai a louvar a Deus”.


As aves pareciam compreender o que lhes dizia. Enquanto era superior da casa São Vicente, ocorreu que algumas rolinhas entraram pelas janelas do refeitório para comer as migalhas de pão que tinham caído ao solo. O encarregado do refeitório, percebendo-as, correu para espantá-las, mas o Padre Anchieta, que lá se encontrava por acaso, voltou-se para ele e o censurou: “Que Deus vos perdoe! Porque espantá-las? Não sabeis que grande suplicio é ter fome?


Em seguida, voltou-se para as rolinhas que, assustadas e, ao mesmo tempo, famintas, se tinham afastado um pouco e pareciam implorar por comida: “Pobrezinhas, voltai e comei à vontade”. E logo elas, descendo à terra, puseram-se a comer como antes.


Não menos extenso era o domínio que exercia sobre os peixes; muitas vezes bastava-lhe abençoar as redes de um pescador para que este obtivesse abundante pesca. Por isso, muitos pescadores, já experientes, iam pedir-lhe a opinião e a benção antes de iniciarem o trabalho. Por mais que o tempo fosse contrário e por pior que estivessem o mar, se o Padre Anchieta lhes dissesse que deviam lançar as redes, faziam-no sem hesitar, sabendo que seria boa a pescaria.


As onças que por natureza são muito ferozes, diante dele pareciam animais domésticos. Ele as chamava, acariciava, dava-lhes de comer na mão, dizendo-lhes que nenhuma criatura deixa de se submeter ao homem se este vive a obediência a Deus.


Deus concedeu ao Padre Santo Anchieta, dons sobrenaturais. Seria demasiado longo falar em pormenores dos dons sobrenaturais que ele recebeu de Deus, e narrar todos os fatos alusivos a tais dons.


Mais de uma vez ele desapareceu subitamente diante dos olhos daqueles com os quais se encontrava; depois, ao cabo de algum tempo, reapareceu no meio deles sem que soubessem como tinha partido nem como tinha retornado. Graças a esse dom da agilidade, acontecia-lhe frequentemente de fazer em algumas horas uma viagem de vários dias, ou em alguns instantes um percurso de várias horas.


O padre Santo José de Anchieta, foi também favorecido com o dom da bilocação, privilégio extremamente raro, do qual existem poucos exemplos na história eclesiástica, a exemplo também de São Pio de Pietrelcina.


Mais de uma vez, Deus para consolá-lo, enviou-lhe multidões de Anjos cujas celestes melodias o faziam prelibar o Céu. Ele visitava de tempos em tempos determinada aldeia, situada perto do forte de Bertioga (fortificação portuguesa, primeiramente edificada em 1560, durante o tempo do Brasil Colônia. Localiza-se na barra de Bertioga, em terra continental, fronteiro à ilha de Santo Amaro, no litoral do estado brasileiro de São Paulo), na qual viviam recém-batizados que especialmente estimava. Uma noite, enquanto rezava na ermida (capela) de Nossa Senhora, confinante ao forte, o guardião deste ouviu de seu quarto cânticos acompanhados de instrumentos musicais.


Um dia quando pregava na Bahia, uma bola de fogo veio pousar-lhe sobre a cabeça, diante de todos. Outra ocasião, na Igreja de Nossa Senhora da Conceição, em Itanhaém, entrou em êxtase e foi elevado da terra vários metros, envolto numa luz que maravilhou os assistentes.


Muitas vezes sua cela se iluminava com uma luz paradisíaca enquanto rezava. Ou acontecia que ele, caminhando pela casa no meio da noite, iluminava os locais por onde passava.


Mas o que talvez tenha sido o mais extraordinário naquele homem de Deus foi a luz sobrenatural que o fazia penetrar no íntimo dos corações e lhe revelava pensamentos secretos.


O dom sobrenatural que São José de Anchieta, tinha para discernir os espíritos era de tal forma notório que os religiosos tíbios no serviço de Deus temiam tê-lo como superior; enquanto os bons viam nisso estímulo para serem vigilantes e se devotarem unicamente à glória de Deus.


São José de Anchieta, Intercedei por Nós!

Pe. Cassio S. Souza, pároco na Paróquia São José de Anchieta (Conjunto Augusto Franco, Aracaju-SE)