Dom João Costa: a Santa Eucaristia é, essencialmente, serviço e doação



A Missa da Instituição da Eucaristia, com a qual a Igreja inicia o Tríduo Pascal, foi realizada na Catedral de Aracaju (espaço provisório), no final da tarde desta Quinta-feira Santa (14), sob a presidência do arcebispo metropolitano, dom João José Costa. Essa celebração, recordou o arcebispo, faz memória da Ceia Pascal de Jesus. “Naquela Mesa Santa do Cenáculo, estava já presente, em símbolos e gestos, a entrega amorosa do Calvário”.


O rito do Lava-pés, logo após a homilia, foi conduzido pelo padre Antônio Peixoto, pároco da Catedral, que concelebrou a Santa Missa. Os 12 apóstolos foram representados por membros do Terço dos Homens São João Paulo II, da catedral.


Para dom João, com essa celebração, a Eucaristia se recobre de profundo significado. “Não é possível sair dela do mesmo jeito. Quem sai da celebração da Instituição da Eucaristia do mesmo jeito que chegou não entendeu o seu significado teológico. Não comungou verdadeiramente”, observou. A sagrada Eucaristia, segundo o arcebispo, é, essencialmente, serviço, doação, sem restrições.


Sobre o gesto do Lava-pés, dom João afirmou que esse é um dos últimos e mais contundentes exemplos de comunhão dado por Jesus. “Quem fazia isso eram os servos, no sentido mais estrito do termo. Jesus deu o exemplo do servo para que todos pudessem ser servos uns dos outros. Servir ao próximo é, portanto, a mensagem central do Evangelho desta Quinta-feira Santa e da memória de Cristo”, assinalou o prelado.