Em Circular, D. João renova apelo para a recitação da Oração pelas Vocações Sacerdotais e Religiosas



Por meio de uma Circular, dirigida a todos os sacerdotes da Arquidiocese, o arcebispo metropolitano, dom João José Costa, apresenta duas importantes orientações “a serem seguidas na obediência e na concórdia”. A primeira delas é um renovado apelo no sentido da recitação da “Oração pelas Vocações Sacerdotais e Religiosas”, especialmente nas celebrações dominicais. “Sabemos da importância da oração, naquela mesma perspectiva garantida por Nosso Senhor Jesus Cristo: Pedi e recebereis. Batei e a porta vos será aberta (Mt 7,7); ou ainda: Pedi ao Dono da Messe que envie trabalhadores para a Sua colheita” (Mt 9,38)”, justifica o prelado.


A oração, segundo dom João “foi inspirada pelo Divino Salvador no coração do meu saudoso predecessor, Dom Luciano José Cabral Duarte”. Observou ainda que, pela repetição constante da oração “Divino Salvador Jesus Cristo...”, o povo de Deus aprenderá a rogar a Deus pelos ministros do Altar e pelo surgimento de corações que escutem o chamado do Senhor, que nunca cessa de passar, convidando: “Ide também vós para a minha vinha!” (Mt 20,7).


Restabelecimento de repasses e de côngruas


A Circular, que também é assinada pelo vice-chanceler do Arcebispado, padre Everson Fontes Fonseca, contém, ainda, uma orientação para a normalização do repasse de taxas das paróquias para o atendimento das crescentes demandas da Arquidiocese: 10% para a Cúria Metropolitana e 5% para o Fundo de Manutenção do Clero, perfazendo 15% do total de suas entradas. Por causa da pandemia os percentuais haviam sido reduzidos.


O arcebispo também decidiu restabelecer as côngruas (contribuição financeira para uma digna e necessária sustentação de um ministro ordenado) asseguradas antes da pandemia: três salários mínimos vigentes para o Arcebispo Metropolitano, para os Párocos, Administradores Paroquiais e equiparados; dois salários mínimos para os Vigários Paroquiais.


Leia a Circular, na integra:


Aracaju, 01 de setembro de 2021


Circular n. 02/2021


Reverendíssimos sacerdotes,


Ensejando-lhes bastante paz e saúde no Senhor, na escrita destas linhas, dou-vos duas orientações a serem seguidas na obediência e na concórdia:


Sabemos da importância da oração, naquela mesma perspectiva garantida por Nosso Senhor Jesus Cristo: “Pedi e recebereis. Batei e a porta vos será aberta” (Mt 7,7); ou ainda: “Pedi ao Dono da Messe que envie trabalhadores para a Sua colheita” (Mt 9,38). Sabendo, inclusive, do histórico belíssimo da Oração pelas Vocações Sacerdotais e Religiosas, inspirada pelo Divino Salvador no coração do meu saudoso predecessor, Dom Luciano José Cabral Duarte, imploro que, em todas as Santas Missas com o povo, seja ela recitada, a saber: se fazem as súplicas da Oração Universal, como acontecem geralmente nas celebrações dominicais, seja a conclusão daquelas intenções; nas missas nas quais não são recitadas as preces da comunidade, reze-se como conclusão da Liturgia da Palavra, ou seja, antes do Ofertório. Pela repetição constante da oração “Divino Salvador, Jesus Cristo…”, o nosso povo aprenderá a rogar a Deus pelos ministros do Altar e pelo surgimento de corações que escutem o chamado do Senhor, que nunca cessa de passar, convidando: “Ide também vós para a minha vinha!” (Mt 20,7).


Aproveito ainda para, agradecendo a Deus, a reabertura dos nossos templos e a reativação dos movimentos, pastorais e grupos eclesiais após tão difícil momento causado pela pandemia (que ainda não nos deixa de assolar), restabelecer as tão necessárias taxas para uma salutar gerência da nossa Arquidiocese em suas demandas. Assim sendo, já em referência ao mês de setembro – ou seja, a partir do dia 01/10/2021 –, as paróquias deverão repassar, perfazendo um total de 15% do total de suas entradas: 10% para a Cúria Metropolitana e 5% para o Fundo de Manutenção do Clero. Também restabelecemos as côngruas como outrora, anteriormente à pandemia: três salários mínimos vigentes para o Arcebispo Metropolitano, para os Párocos, Administradores Paroquiais e equiparados; dois salários mínimos para os Vigários Paroquiais, e, com base no valor integral da côngrua recebida (sempre em 10%), lembramos aos sacerdotes da devolução do dízimo sacerdotal como meio de solidariedade para com os nossos irmãos que são ajudados pelo sobredito Fundo de Manutenção do Clero.


Levado pelo amor à Igreja do Senhor, na autoridade de Sucessor dos Apóstolos, abençoo cordialmente,

Dom João José Costa, O. Carm.

Arcebispo Metropolitano de Aracaju


Padre Everson Fontes Fonseca

Vice-Chanceler do Arcebispado