ENTREVISTA – Pe. Dácio: “Nosso maior desafio é trazer os fiéis de volta à Igreja”



Com 18 anos de ordenação sacerdotal, o padre José Dácio dos Santos exerce seu ministério como pároco da paróquia São Pio X, no bairro 18 do Forte, em Aracaju, e, também, como Coordenador Arquidiocesano de Pastoral. Nessa entrevista, ele faz um breve relato de sua caminhada vocacional, avalia os grandes desafios da ação evangelizadora da Igreja e a contribuição das paróquias na fase de escuta do Sínodo.


O senhor pode compartilhar conosco um pouco da sua história vocacional?


Nasci na cidade de Riachuelo-SE. Sou filho de José Antônio dos Santos (in memorian) e Josefina Freire dos Santos, e tenho mais um irmão e três irmãs. Foi nesse lar que fui formado para a vida católica. Aos 16 anos, depois de receber o Sacramento da Crisma, eu e outros jovens fomos convidados pelo padre Raimundo (nosso pároco) para participar dos encontros vocacionais no Seminário Menor da nossa Arquidiocese. Iniciei minha história vocacional, portanto, a partir desse convite. Ingressei no Seminário Menor e, depois dele, fui cursar Filosofia, integrando a primeira turma de fundação do Seminário Maior em São Cristóvão-SE. Fiz a graduação em Teologia na cidade de Taubaté-SP, onde hoje é a faculdade Dehoniana. Fui ordenado diácono no dia 18/07/2003 e padre no dia 12/12/2003. Em ambas o bispo ordenante foi dom José Palmeira Lessa.


O seu ministério sacerdotal já esteve a serviço de quais comunidades paroquiais da Arquidiocese de Aracaju?


Recebi a graça de Deus de colocar a minha vida sacerdotal a serviço de três paróquias dedicadas a Virgem Maria. A primeira foi a paróquia Nossa Senhora das Dores, na cidade de Dores; a segunda foi a paróquia Nossa Senhora da Conceição (catedral metropolitana) em Aracaju; a terceira foi a paróquia Nossa Senhora do Bom Parto em Itabaiana. E agora, há quatro meses estou servindo à paróquia São Pio X, em Aracaju.


Como o senhor vem construindo o seu pastoreio na Paróquia São Pio X?


Como frisei acima, estou no pastoreio da paróquia São Pio X, há quatro meses. Esse pouco tempo está sendo de conhecimento, de criar vínculos com a comunidade e, acima de tudo, de respeitar a caminhada pastoral da paróquia, ajudando naturalmente naquilo que for preciso.


Quais as prioridades do seu governo pastoral?


Tenho para mim que na missão pastoral devo está de prontidão para realizar de acordo com as minhas possibilidades aquilo que me for solicitado, realizando, é claro, em comunhão com todos os que de bom coração servem à comunidade. Assim sendo, entendo que não devo priorizar este ou aquele serviço, esta ou aquela pastoral. Todavia, vejo a necessidade atual de colaborar na formação dos agentes de pastorais.


Quais as principais atribuições de um Coordenador Arquidiocesano de Pastoral?


Na Arquidiocese de Aracaju, o primeiro responsável pelo bom êxito do serviço pastoral é o senhor arcebispo. Ao lado dele, nós da coordenação Arquidiocesana nos somamos nessa empreitada. A minha função neste serviço, como coordenador Arquidiocesano de Pastoral, é auxiliar o senhor arcebispo nesta missão. Mas também é de rezar, de motivar, de acreditar e de orientar quando preciso for.


Fale-nos dos grandes desafios da ação evangelizadora da Arquidiocese de Aracaju


Falar dos desafios da ação evangelizadora é ter presente as consequências que vieram e que continuam vindo desse tempo de pandemia da COVID 19. A igreja católica, como todas as entidades da sociedade, vem sofrendo com essas consequências. Acredito que o maior desafio está sendo trazer os fiéis de volta à igreja. E, em consequência, animá-los para a execução das diversas atividades pastorais na comunidade. Vamos precisar de tempo e de paciência neste processo.


Como o senhor avalia a participação das paróquias e das expressões eclesiais da Arquidiocese na fase de escuta do Sínodo?


Faço parte da comissão arquidiocesana para a escuta do Sínodo. Até o presente momento ainda não nos reunimos para esta avaliação. Mas, acredito que o objetivo foi alcançado. A participação das paróquias e das expressões eclesiais da nossa Arquidiocese na resposta ao questionário está sendo de grande valia para a elaboração da síntese da escuta do Sínodo.Assim sendo, avalio como positiva a participação de todos neste trabalho solicitado pelo Santo Padre.


Uma mensagem de esperança para o Povo de Deus.


O cristão católico deve viver sempre da esperança que é o Senhor. Como aprendemos, a esperança é uma virtude teologal que é dada gratuitamente por Deus, mas que deve ser desejada e buscada por nós homens e mulheres. Assim sendo, motivo ao querido Povo de Deus para que nunca perca a sua esperança no Senhor. Sim, esperemos sempre por Ele. Todos os dias, sempre! Amém!