ENTREVISTA - Pe. Horácio Fraga: A missão de cada sacerdote é clara e precisa: a santidade urgente!



Com 12 anos de ordenação sacerdotal, celebrados no dia 18 de junho deste ano, o padre José Horácio Matos Fraga exerce o seu ministério como pároco da paróquia Sagrada Família (bairro Dom Luciano, Aracaju), e ainda como vigário forâneo da Forania Rainha dos Profetas.


Em que momento da sua vida foi chamado a anunciar o Evangelho e guiar a comunidade rumo ao caminho de Deus?


É no seio familiar que nascem as vocações sacerdotais e para a vida consagrada. Foi em meio a minha pequena família, genuinamente católica e temente a Deus, que surgiu o desejo, na infância, de seguir a Cristo. Minha família gerou para a igreja duas vocações: a minha única irmã, hoje consagrada na Congregação Santa Teresinha, e a mim.

Conte-nos um pouco sobre o seu itinerário sacerdotal, na Arquidiocese de Aracaju.


A vocação sacerdotal é o maior presente que Deus pode depositar nas almas. Do mesmo modo que chamou Pedro, Tiago, João… e foi-lhes dizendo: ‘Vem e segue-me’, um dia, Cristo fixou seu olhar em mim e disse: vem, que eu te farei pescador de homens’. É um convite a grandes coisas: o que é melhor que ser embaixador do próprio Deus? A consciência deste chamado se deu por meio do testemunho de um padre zeloso e piedoso da minha cidade natal, Boquim-SE. Deus se utilizou dele para despertar em mim a necessidade que tinha de minhas mãos, pés, olhos, mente, coração para continuar a comunicar-se a humanidade.


Sendo assim, em 2002 ingressei no Seminário Propedêutico da Diocese de Estância, onde vivi o período de um ano. Em 2003, Ingressei no Seminário N. Sra da Conceição para cursar Filosofia e Teologia. Fui ordenado Diácono em 07 de outubro de 2009. E em 18 de junho de 2010, fui ordenado Sacerdote, sendo nomeado vice-reitor do Seminário Propedêutico Sagrado Coração de Jesus. Em 2011, fui nomeado reitor por um período de três anos.


De 2013 a 2018, exerci o paroquiato no bairro Parque dos Faróis em N. Sra do Socorro, Paróquia Menino Jesus. E desde 2019 venho exercendo o ministério na Paróquia Sagrada Família, localizada no Bairro Dom Luciano. Que honra! Que peso que Ele coloca sobre ombros: é o peso imponderável da Redenção, na qual se contém a felicidade pessoal e eterna de cada homem.


O que a Igreja poderia fazer para reverter a acentuada queda de vocações sacerdotais?


A missão de cada sacerdote é clara e precisa: a santidade urgente! Temos por vocação que nos esforçar para adquirir a consciência de que hoje e amanhã ensinaremos nossos irmãos como ser santos. Alter Christus (Outro Cristo): glorificador do Pai e salvador de almas.


Qual é o papel de um vigário forâneo, função que o senhor também exerce em nossa Arquidiocese?


Colaborar com o Arcebispo, principalmente na ação pastoral, animando o presbitério local e na promoção e coordenação das atividades pastorais comuns no âmbito da Forania. Tendo verdadeira solicitude apostólica pela sua Forania, sendo, ao mesmo tempo, animador da vida e da fraternidade presbiteral, coordenador da ação evangelizadora e pastoral em sua circunscrição, e servidor de todos.


Como tem sido a experiência de pastorear a paróquia Sagrada Família, em uma das comunidades paroquiais que mais crescem na Arquidiocese?


A consciência de viver a continuidade. Fazer o que a Igreja sempre fez: Apresentar o Cristo. Tendo os mesmos sentimentos de Cristo. Compartilhando de sua vida. Me configurando a Ele. Quando da ordenação escolhi por Lema: “Santifico-me por Eles, para que também ele sejam santificados nas verdade”. (Jo 17,19). Nunca imaginei que esse lema faria arder tanto e sempre meu coração e a santificação se revelariam como remissão. Pois conforme no aproximamos da Verdade que é Cristo mas somos impelidos afrouxar as amarras de nossas perfeições. E esse movimento interior nos dá o alcance de sermos meros canais do Cristo.


Quais as grandes prioridades do seu governo pastoral?


Caminhar com os apelos atuais da igreja: A sinodalidade. Que este refrigério do Espirito Santo seja o norte do nosso peregrinar. A mola que impulsiona para o senso vital de pertença a Igreja. Buscando sempre bases (formação) no magistério e na palavra de Deus para ratificar o Kerigma.


O que a Sagrada Família ensina em um tempo em que as famílias são duramente atingidas pelos contra valores do mundo


A família continua a ser o principal ponto de referência, ... Ela ocupa um papel central em nossas vidas. É a base para a construção da nossa identidade, valores e vocações. É no seio familiar que traçamos nossa trajetória, da infância à maturidade, sobretudo, quando nos deparamos com as principais questões que vão formar quem nós somos. Assim como Maria e José possamos ser modelos de virtudes e docilidade a fazer a vontade de Deus.


Uma mensagem de esperança para o povo de Deus


Diante da Voz de Deus, que não cessa de nos chamar e preferir... Rezemos esta oração (São Charles de Foucauld) entregando as nossas vidas completamente a Deus, para que possamos cumprir todas as Suas vontades. E assim, criamos um laço ainda mais íntimo com Nosso Senhor. Meu Pai, eu me abandono a Ti.