Jesus: Ressurreição e Vida



Quando lemos o Evangelho segundo São João, temos a divisão deste livro em sinais, que começam com as Bodas de Caná (cf. Jo 2,1-11) até o grande sinal da Cruz (cf. Jo 18-19). Com o Evangelho da ressurreição de Lázaro, estamos diante do sétimo e último sinal, que confirma a divindade de Jesus. Depois deste, como já afirmei, realizado na iminência de Sua Paixão, teremos o grandioso sinal do Mistério Pascal.


Jesus já se encontrava nas cercanias de Jerusalém; já havia contraído a ira dos judeus, que, antes, O queriam apedrejar (cf. Jo 11,8). E eis que o Senhor recebe o recado: "Senhor, aquele que amas está doente" (Jo 11,3). Esta observação feita por Marta e Maria é a constatação da humanidade ferida, alquebrada, sem perspectivas de salvação; enfim, perdida. Deus, para a Sua glória e para o bem da humanidade a quem tanto ama, surpreende sempre. Não é o Ser Divino refém das lógicas e conjecturas humanas (de per si, falíveis). E, mesmo antecipadamente, entrevendo os pensamentos dos judeus - que dirão: "Este que abriu os olhos ao cego, não poderia ter feito com que Lázaro não morresse?" (Jo 11,37), é que o Senhor afirma: "Esta doença não leva à morte; ela serve para a glória de Deus, para que o Filho de Deus seja glorificado por ela" (Jo 11,4).


Esta última afirmação do Senhor é uma conjugação de concretização de promessas e de garantia. Primeiramente, por concretização de promessas, coisas inauditas acontecem; inclusive, mortos ressuscitam como sinal de que Deus está em meio à humanidade, fazendo jus ao que diz o Profeta Ezequiel: "Ó meu povo, vou abrir as vossas sepulturas e conduzir-vos para a terra de Israel; e quando eu abrir as vossas sepulturas e vos fizer sair delas, sabereis que eu sou o Senhor" (Ez 37,12-13). Mas, também, é sinal de garantia, porque, mesmo depois de ressuscitado, Lázaro morreu. Assim, como sinal de garantia, vemos que a ressurreição prometida por Jesus não é aquela que se realizou em Lázaro, pois seremos ressuscitados para todo o sempre, na glória de Deus. É por isso que o Senhor proclamará: "Quem crê em mim, mesmo que morra, viverá. E todo aquele que vive e crê em mim, não morrerá jamais" (Jo 11,25b-26).


Lázaro (do grego: Eliázaros), significa "Deus socorreu, ajudou". Lázaro somos nós, carentes do auxílio divino, diante da doença do pecado, que conduz à perdição eterna, ao inferno. Para tanto, basta a fé em Cristo, Ressurreição e Vida, para sermos dignos desta graça e deste favor, trazendo como nossas as palavras mesmas de Marta: "Senhor, eu creio firmemente que tu és o Messias, o Filho de Deus, que devia vir ao mundo" (Jo 11,27), e procedermos de acordo com o que cremos.


Padre Everson Fontes Fonseca, Presbítero da Arquidiocese de Aracaju