Obrigado, Dona Zelita Barbosa!



Quero voltar em 2012 e 2013 para falar de Zelita Barbosa. Com coração. Com Evangelho. Sem holofotes. Ela não gostava. Era essência dela. Rezar e cuidar. Com fé no seu Ressuscitado. Que ela sempre estava adorando. Nas Missas. Com suas rugas fecundas e seus cabelos brancos. Uma alma nobre, um coração orante e uma vida silenciosa, fecunda. Hoje ela fez sua Páscoa definitiva. E meu coração voltou ao Altar da Jesus Ressuscitado, nesta manhã. Era eu seminarista, fazendo pastoral. E Dona Zelita com sua discrição ajudou a erguer aquele templo com sua fé e sua oferta. De vida, de amor, de partilha. Poucos sabiam que era a viúva de Gentil Barbosa. Ela era uma entre nós. Mas quando ela chegava o coração aquecia. Falo pelo meu.


Viveu sua viuvez como um ministério. Viuvez fecunda, apesar das suas limitações humanas. Fecunda. Uma vida oblativa. Monástica. Com fé. Eu tive oportunidade de aprender com o silêncio de muitos. E aprendi com a fé e oferta de vida de Dona Zelita. Elogio de seu silêncio, elogio de sua maternidade espiritual que alcançou tantos. Não com posses, mas com sua oração.


Lembro do carinho dispensado a mim, através do Pe. Genivaldo Garcia, ele que me ensinou a não se iludir com riquezas e posses de ninguém. Foi bom aquele tempo na Ressuscitado. Não porque era a paróquia dos "ricos". Não. Tínhamos uma vida franciscana. Sim, e hoje agradeço por aqueles anos lá. Vi e dou testemunho que Dona Zelita foi fiel ao Seu Cristo e ao seu Gentil Barbosa e aos seus familiares. E não só. Quantas vidas foram alcançadas por eles acreditarem nos seus projetos. Na rede GBarbosa, que ajudou a tantos a proverem suas casas e famílias. E no silêncio. Aqui está a grandeza. Escrevo para elogiar a pequenez de dona Zelita. Não as suas posses.


Estive em sua casa para levar meu convite de Ordenação. E lembro das palavras que ela me dispensou nos idos 2017. E guardo no meu coração.


Aos seus familiares minha oração nesta hora. Continuem o legado fecundo desta mãe plural. De tantos. Dona Zelita, descanse no Seu Cristo Ressuscitado.


A Paróquia do Jardins tem seu nome numa das salas de pastoral. E agora seu nome estará para sempre no coração d'Aquele que vive para sempre.


Obrigado por me fazer entender que riqueza é ter valores e não se prender as posses. A senhora tinha coração, sei que tinha. Sua vida me tocou por isso. Por isso esta minha homenagem póstuma. Quero falar do Ressuscitado, falando da senhora. É isso. Falei. Foi meu pobre coração. Descanse em paz, e obrigado por acreditar no nosso Sergipe. À senhora, seu Gentil e à sua família, obrigado. Sua vida foi poesia, que a nossa seja. Poesia de ressurreição. Era só disso que queria falar.


A fé de Zelita era transformada em obras. Muitas silenciosas. Sem holofotes. A sua casa era uma extensão da Paróquia Jesus Ressuscitado. E sei que seu coração está n'Ele. Agora eternamente. Obrigado, Dona Zelita Barbosa, obrigado!

Vosso, Pe. Anderson Gomes, pároco da paróquia São Pedro Pescador (Bairro Industrial, Aracaju)