Padre Peixoto: “Deus se manifesta nas nossas vidas a partir das nossas fraquezas".



Reproduzimos a entrevista que o Jornal Cultura Mais (Rede Cultura de Comunicação) fez com o pároco da Catedral Metropolitana de Aracaju, padre Antônio de Carvalho Peixoto, que celebra 36 anos de ordenação presbiteral, nesta segunda-feira (26). Excelente oportunidade para conhecer um pouco da história de um experiente ministro de Deus, ordenado pela Congregação dos Padres Sacramentinos. Com especialização e mestrado em Teologia Bíblica, ele também é professor do Seminário Maior Nossa Senhora da Conceição. Por meio da música (já com 8 cd´s lançados) e do rádio, padre Peixoto vem amplificando sua valiosa contribuição na ação evangelizadora da Igreja.


Como nasceu, floresceu e se materializou o desejo de servir à Igreja como ministro ordenado?


Desde criança era forte e crescente o desejo de abraçar o sacerdócio. Essa vocação se fortaleceu no engajamento nas atividades pastorais, especialmente na Juventude Missionária, em duas comunidades paroquiais que frequentava, em São Bernardo do Campo-SP.


Quem mais o influenciou a abraçar a vocação sacerdotal?


A grande motivação que encontrei nessas comunidades foi determinante para abraçar a vocação sacerdotal. Encontrei o apoio e o incentivo de todos ao longo de toda a minha caminhada vocacional. Sou profundamente grato a Deus pela graça de ter sempre ao meu lado um povo que me ensina e me ajuda a amar e a crescer.


Fale-nos do seu lema sacerdotal e as razões da sua escolha


“Sem mim nada podeis fazer” (Jo 15, 1-8). O meu ministério sacerdotal é guiado por essa advertência de Jesus, fazendo-nos enxergar a nossa radical dependência da graça de Deus. Para gerar “muitos frutos”, os ramos - ou seja, os discípulos - precisam permanecer atados à videira; do contrário, serão lançados fora e secarão.


Quais são os seus santos de devoção?


Santo Antônio, São Pedro Julião Eymard e Nossa Senhora. Em segundo plano, também cultivo devoção a São Francisco, Santa Rita de Cássia, Santa Teresinha do Menino Jesus, entre outros.


Quais os principais frutos do seu fecundo ministério sacerdotal?


São vários, graças a Deus! Espero que tenha sido significativa a minha contribuição na formação de sacerdotes em diversos seminários de Uberaba-MG, Araxá-MG, São Paulo, Fortaleza e Aracaju, e nas pastorais dos lugares onde exerci meu ministério.


Poderia partilhar um pouco da experiência de evangelizar através da música e do rádio?


Sou apaixonado pela música, e evangelizar através dessa arte é algo muito bonito, gratificante, apesar do cansaço e da exposição às críticas, o que, naturalmente, faz parte das nossas vidas. O rádio também vem contribuindo para potencializar o meu trabalho de evangelização.


A música que melhor traduz a sua caminhada como ministro de Deus


“Coração de Amor”, de minha autoria, é a música que melhor traduz o que faço, e que gosto de fazer.


Uma palavra de fé e esperança para o povo de Deus


Nós vivemos de Deus, não vivemos das nossas realidades, das nossas forças. Deus não se manifesta nas nossas vidas a partir dos nossos talentos, mas das nossas fraquezas. “Ele olhou para a humildade de sua serva” (Lc 1, 46-55). Ele olhou para os valores de sua serva, mas a sua humildade.


Foto: Acervo do JL Política