• Pe. João Claudio

São José: "Filho, eis aí tua mãe".

Atualizado: Mar 18



A relação entre pais e filhos possui um acento natural e divino repercutido não apenas na semelhança física, mas também na adesão dos sentimentos. Trata-se de uma constatação das expressões populares: “Tem o rosto da mãe! É do jeito do pai!”. Assim é possível compreender que quando as pessoas olhavam para Jesus, o identificavam como o “filho de José”. E não somente no quesito físico, mas sobretudo na partilha dos sentimentos. Jesus é verdadeiro Deus e verdadeiro homem. O Espírito Santo fecundou o ventre de Maria para concebê-lo, mas quando a mulher está grávida, a gestação é compartilhada pelo casal, de modo que também José ficou grávido de Jesus. Não no sentido físico, mas pela força dos santos sentimentos semeados pelo Espírito Santo de Deus. Maria gerou Jesus no ventre materno. José acolheu Jesus no coração de pai. Tendo superado a escuridão das dúvidas alimentadas pelos comentários sobre o que aconteceu com Maria, José iluminado por Deus vive exclusivamente para o Filho e sua Santa Mãe.


Como é próprio dos pais, José procurou sempre o melhor para Jesus e Maria. Coube a José a missão de acompanhar Maria durante a noite angustiante e cheia de alegria do mistério da Encarnação do Verbo, quando a dor de não encontrar lugar idôneo para o parto do Filho é transformada pelo santo nascimento do Amor. Quanta alegria Jesus trouxe para José e Maria! O Filho tão esperado e agora saudado pelos santos anjos: “Glória a Deus nas alturas e paz na terra”. O Filho de Maria e de José é procurado pelas pessoas que partilham os ideais de justiça, fraternidade e paz, reconhecidos na santa criança (Lc 2,14).


Os pastores se ajoelham diante do menino Jesus para adorá-lo e relatam a mensagem dos santos anjos: “Não temais, eis que vos anuncio uma Boa-Nova que será alegria para todo o povo: hoje vos nasceu na Cidade de Davi um Salvador, que é o Cristo Senhor. Isto vos servirá de sinal: achareis um recém-nascido envolto em faixas e posto numa manjedoura”. A Sagrada Escritura afirma que "Maria conservava todas essas palavras, meditando-as no seu coração". E certamente José rezava com Maria guardando tudo o que vivenciava em seu coração de pai (Lucas 2,10-12.19).


O que passava pelo coração de Maria e José? O santo mistério da Anunciação: “Não temas, Maria, pois encontraste graça diante de Deus. Eis que conceberás e darás à luz um filho, e lhe porás o nome de Jesus” (Lucas 1,30-31). E aquele sonho transformador: “José, filho de Davi, não temas receber Maria por esposa, pois o que nela foi concebido vem do Espírito Santo. Ela dará à luz um filho, a quem porás o nome de Jesus, porque ele salvará o seu povo de seus pecados” (Mateus 1,20-21).


José protegeu o Filho e a Santa Mãe Maria contra os ataques do mal, representados particularmente, na perseguição de Herodes para matar Jesus. José conheceu bem de perto a dureza da terra estrangeira trabalhando noite e dia, para cuidar de Jesus e Maria (Mateus 2,13).


Com os olhos da fé enxergamos Jesus, Maria e José rezando no Lar Sagrado de Nazaré. Jesus cresceu com pais de oração que agradeciam a Deus pelo pão de cada dia e antes de tudo pela vida do Filho, o Pão vivo descido do céu para saciar a fome dos corações que n’Ele buscam salvação (João 6,51).


E um dia Deus chamou José, lhe deu um abraço e disse: “Muito obrigado José por ter amado e cuidado do meu Filho”. E sorrindo José respondeu: “Antes de partir eu disse a Jesus: Filho, eis aí tua Mãe”. Tais palavras marcaram o Coração de Jesus e retomadas no madeiro da cruz, foram dirigidas ao discípulo amado e a cada coração que está sob a proteção da Família Sagrada de Nazaré: “Filho, eis aí tua Mãe” (João 19,27).


Maria recordou as palavras de José dirigidas a Jesus, antes da sua partida para os braços de Deus Pai, o seu grande amigo que lhe confiou o próprio Filho Jesus Cristo. O coração de José foi todo de Jesus e Maria. José colocou-se inteiramente nas mãos de Deus dizendo com Maria: "Eis aqui o servo do Senhor. Faça-se em mim segundo a tua palavra" (Lucas 1,38).


Estas vidas unidas na terra de um modo todo especial permanecem entrelaçadas para sempre no Céu. Quanto mais recorremos a São José, maior é a graça de Jesus e a intercessão de Maria em nossa vida. Os corações que buscam a intercessão de São José fazem “tudo por Jesus e nada sem Maria”.


Rezemos ao longo do Ano Josefino: São José coloque a minha vida nas mãos de Jesus e Maria.


Pe. João Claudio da Conceição é pároco da paróquia Nossa Senhora Aparecida (Bairro Farolândia, Aracaju)