Uma avaliação do primeiro encontro de formação do Pilar da Caridade



O dia 21 de maio do ano corrente foi celebrado com a primeira reunião de formação do Pilar da Caridade, um dos fundamentos do plano pastoral da nossa Arquidiocese de Aracaju.


A maioria dos convites foi aceito pelos representantes das pastorais sociais, sendo formado um ambiente fraterno e acolhedor... e porque não sintetizar: um ambiente SINODAL - no qual a palavra era franqueada a todos os cristãos leigos, a religiosa Gilza e aos clérigos Manoel Barbosa e Soares. Todos a usavam para promoção de ações pastorais a partir da nossa realidade e à luz do evangelho.


Padre Soares, visivelmente inspirado pelo Espírito Santo, nos enredou no conteúdo da encíclica Gaudium et Spes que promoveu e promove a abertura e diálogo da Igreja Católica, assim como o faz o Papa Francisco, agora sob a vertente da SINODALIDADE. Como bem assentou padre Soares Sínodo é circularidade. A formação nos convidou a ler ou reler este documento produzido no Concílio Vaticano II que, infelizmente para muitos, ainda jaz em estantes empoeiradas. No nosso sentir, este alerta rememora a importância de vivermos a experiência primeira de sermos cristãos à luz da fraternidade evangélica que deve inundar o mundo - razão de ser Igreja.


“Encantar a Política” - projeto construído por um coletivo de entidades, no qual estão incluídos dois organismos da a CNBB e protagonizado pelo CNLB nacional. Seu principal objetivo é acender luzes, enfatizar os valores cristãos e alertar para a importância da eleição, do voto e do acompanhamento dos candidatos eleitos cujo dever principal deve ser o de promover o BEM COMUM, A PAZ, E A DEMOCRACIA. A síntese deste projeto foi explanada com grande entusiasmo por Dr. Emerson, leigo integrante do CNLB da nossa arquidiocese de Aracaju, do CNLB Nordeste III, além de ser um grande colaborador do CNLB nacional.


O padre Manoel Barbosa, clérigo responsável pelo Pilar da Caridade, rememorou a importância da recente divulgação da carta da CNBB em que os Bispos do Brasil, de forma corajosa e profética, afirmam a existência e se opõem a cultura de violência, travestida na crise sanitária e negação da ciência - que gerou mais de seiscentas e cinquenta mil mortes, violência com o estímulo do armamento da população, nos desmatamentos na Amazônia e flagelo dos povos indígenas quilombolas. Foram ressaltadas as afirmações que trazem a carta da CNBB, a exemplo da Importância das eleições, inclusive para o Legislativo, em vista de um projeto de nação que desejamos. Da existência da manipulação Religiosa – projeto de poder sem afinidade com os valores evangélicos. Da disseminação das FAKE NEWS - manipulação das consciências. E, por fim, foi conscitado o encorajamento às Organizações e aos Movimentos Sociais, para que continuem unidos em mutirão pela vida, “Especialmente por terra, teto e trabalho”.


De forma que, o CNLB da Arquidiocese de Aracaju, a partir de sua compreensão e de depoimentos dos clérigos, religiosa, e representantes de pastorais sociais, entende que, depois de um longo período de apatia e desmobilização em parte produzido pela pandemia, esse encontro marca o início de um novo tempo na Arquidiocese de Aracaju para as pastorais sociais e seguimento de Jesus.


Paulo Machado é presidente do CNLB da Arquidiocese de Aracaju